1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

Crateras misteriosas surgem e causam espanto na Rússia

Por Antônio Filho 04 Setembro 2020 Publicado em Ciência
Votao
(0 votos)
Lido 124 vezes
Reprodução Reprodução reprodução

Desde 2014, a Península Rússa de Yamal, tem vivenciado um fenômeno misterioso que intriga a população.


Várias crateras têm sido descobertas na região, somando até agora 17 buracos de grandes propoções.


A mais recente foi encontrada por uma equipe de reportagem da emissora russa de TV Vesti Yamal enquanto o grupo retornava de uma viagem de negócios no mês de julho.


De acordo com cientistas, ela tem cerca de 50 metros.


Para Vasily Bogoyavlensky, doutor em Ciências Técnicas e Membro Correspondente da Academia Russa de Ciências, “este objeto é único”


“Ele contém muitas informações científicas adicionais, que ainda não estou pronto para divulgar. Este é o assunto das publicações científicas. Temos que analisar tudo isso, construir modelos tridimensionais”.


Já Evgeny Chuvilin, pesquisador líder do Instituto de Ciência e Tecnologia Skolkovo, acredita que “são as forças colossais da natureza que criam esses objetos”.


A explicação, entretanto, pode não ser tão emocionante quanto muitos internautas esperam, nas redes sociais, é possível ver até usuários comentando sobre possível ação alienígena.


De acordo com o professor Alvaro Crósta, geólogo do Departamento de Geologia e Recursos Naturais do Instituto de Geociências da Unicamp, essa cratera deve ter surgido de forma natural devido a um acúmulo de gases no permafrost, solo que passa todo o ano congelado e que cobre 25% da superfície terrestre do Hemisfério Norte.


Um clima mais quente na região faz com que esse gelo do permafrost derreta e fique mais frágil, gerando uma pressão nesse bolsão de gases, e com isso, acaba ocasionando uma explosão.


Mesmo a explicação sendo mais simples, isso não deixa de ser preocupante.


“É um problema bem sério porque essa explosão libera uma grande quantidade de carbono e metano na atmosfera, o que acaba contribuindo com o desequilíbrio do clima do planeta”, afirma o professor.


Fonte: Mais Goias (com adaptações)

 

00 A Banner WhatsAppecontatos RadioEldorado2