1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

MP acusa Flamengo de “coagir” sobreviventes do Ninho do Urubu

Por Antônio Filho 11 Setembro 2020 Publicado em Esportes
Votao
(0 votos)
Lido 98 vezes
Reprodução Reprodução Reprodução/ Mais Goias

O Ministério Público (MP) do Rio de Janeiro acusa o Flamengo de tentar coagir os 16 sobreviventes do incêndio ocorrido no Ninho do Urubu em fevereiro de 2019.


Menos de um mês depois do curto-circuito que vitimou dez jogadores das categorias de base nas instalações do centro de treinamento rubro-negro, o Flamengo propôs pagar R$ 20 mil por danos morais para os sobreviventes.


Para receber o valor, os jovens e seus familiares teriam de renunciar ao direito de buscar na Justiça o direito por quaisquer outros prejuízos que tivessem.


Para o MPRJ, “o discurso de que os documentos deveriam ser imediatamente assinados deixava claro que se tratava de uma pré-condição para que os adolescentes permanecessem como atletas da base do clube”.


O departamento de comunicação do Flamengo e o vice-presidente jurídico e geral do clube, Rodrigo Dunshee, foram procurados pela reportagem através de mensagens e ligações para comentar a acusação do MPRJ.


Assessoria e dirigente, no entanto, optaram por não responder os contatos.


A cópia da minuta do Instrumento Particular de Transação, Quitação e Exoneração de Direitos e Responsabilidade e Outras Avenças – assinada pelo presidente Rodolfo Landim – que serviu de modelo para a celebração de acordo entre o Flamengo e os jovens atletas sobreviventes, foi obtida pelo Lei em Campo através da Lei de Acesso à Informação e faz parte dos documentos anexados na petição do MPRJ que pede que o Flamengo seja condenado a pagar R$ 20 milhões em danos morais coletivos, e que foi ajuizada em fevereiro deste ano pelo órgão.


É mais um golpe duro na defesa do clube, que viu sua situação piorar a partir da revelação pelo UOL de e-mails que mostram que funcionários do clube sabiam dos riscos das instalações do CT do Flamengo.


“Quem responde criminalmente é sempre a pessoa física. A pessoa jurídica responde civilmente, para reparação de danos. Pode haver dolo eventual, a depender da situação concreta”, analisa o advogado criminalista João Paulo Martinelli.


Fonte: Mais Goias

 

00 A Banner WhatsAppecontatos RadioEldorado2