1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

Defesa de Padre Robson desmente Ministério Público após matéria do Fantástico

Por Antônio Filho 26 Outubro 2020 Publicado em Estado
Votao
(0 votos)
Lido 115 vezes
Padre Robson Padre Robson Reprodução/ Mais Goias

A defesa do padre Robson de Oliveira, ex-reitor da Basílica de Trindade, afirma que o Ministério Público induziu jornalistas do Fantástico ao erro na reportagem deste domingo que diz que a Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe) utilizou o cadastro de fiéis para movimentar quantias milionárias, com base em planilhas apreendidas na sede da entidade.


A documentação em que o MP diz se basear foi apreendida no dia 21 de agosto.


De acordo com os advogados, os supostos repasses vultosos ao caixa da Afipe, noticiados pela rede Globo, nunca existiram.


Documentos aos quais o Mais Goiás teve acesso sugerem que tudo não teria passado de erro de digitação.


Alguns números digitados na coluna “valor” seriam, na verdade, os números de identificação dos fiéis.


Com base no que foi informado pelo Ministério Público, a reportagem do Fantástico disse que o maior valor encontrado nas planilhas seria uma doação de R$ 3.437.695, que teria partido de uma mulher chamada Maria I.S.M., residente na cidade mineira de Curvelo.


A defesa argumenta que 3437695 seria, na verdade, o código de identificação de Maria no cadastro de doadores.


Por erro de funcionários da associação, este código teria sido replicado na coluna “valor”.


O caso acima se refere ao maior suposto valor encontrado pelo Ministério Público nas planilhas da Afipe.


O segundo maior é uma suposta doação de R$ 3.290.673.


De acordo com o Fantástico, quem fez o repasse foi a dona do código de associado número 20, Marilda O.M.S., de Anicuns.


Mais uma vez, a defesa afirma que houve erro de digitação: 20 seria, na verdade, o valor doado; e 3290673 o código do associado que fez o repasse: um homem chamado Caetano S.P., de Brasília.

A defesa também explica o terceiro maior valor encontrado pelo Ministério Público na planilha de doações da Afipe.


O “valor” de R$ 331.602, seria, na verdade, o número de identificação da associada Sirlene C.M., de São Paulo.


Neste caso específico, na coluna de relativa ao código do doador teria sido digitado o código de outra pessoa: Silvio J.D.S., de Ida Iolanda (São Paulo). “Esse ‘valor’ de R$ 331602 na verdade é simplesmente o número de registro e nunca foi realmente doado à Afipe”, explica o advogado Pedro Paulo Guerra de Medeiros, que representa o padre Robson.


“Basta verificar os extratos bancários, contábeis e fiscais da Afipe e se comprovará que as referidos doações nunca ocorreram. O Ministério Público certamente deve ter feito essa análise, e verificado não ter havido essa irregularidade”, afirma Pedro Paulo.


O advogado diz que o MP tenta “induzir a opinião pública em grave equívoco apenas no intuito de se desforrar de uma decisão judicial que foi desfavorável para alguns membros do Ministério Público”.


Fonte: Mais Goias

 

00 A Banner WhatsAppecontatos RadioEldorado2