1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

Dos 13 candidatos de Bolsonaro, só dois foram eleitos prefeitos

Por Antônio Filho 16 Novembro 2020 Publicado em Política
Votao
(0 votos)
Lido 203 vezes
Jair Bolsonaro Jair Bolsonaro Reprodução

O resultado das eleições municipais sinaliza que o presidente Jair Bolsonaro já não possui a mesma capacidade de transferência de votos das eleições de 2018, quando ajudou a eleger governadores, senadores e dezenas de deputados federais e estaduais.


Dos 13 candidatos a prefeito apoiados por Bolsonaro, dois foram eleitos e outros dois estão no segundo turno.


Apesar de se reeleger vereador no Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro (Republicanos), seu filho, perdeu o posto de candidato mais votado para um político do arqui-inimigo PSOL – Tarcísio Motta.


Nas redes sociais, Bolsonaro e Carlos tentaram minimizar os episódios.


O presidente disse que só fez “três horas de campanha”, o que não é verdade.


Já seu filho colocou na conta do pai a derrota do PT no Nordeste.


O partido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disputou oito das nove capitais e perdeu em sete.


Sua única chance é no Recife, onde disputa o segundo turno com Marília Arraes.


O Nordeste tem o segundo maior número de eleitores do país, perdendo apenas para o Sudeste.


Tradicionalmente era um reduto do PT.


Nas eleições de 2018, foi a região em que Bolsonaro teve o seu pior desempenho.


Agora, o grupo do presidente aposta que o resultado desta eleição indica o avanço de Bolsonaro em 2022 na região.


Mesmo com as urnas ainda abertas, o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro foi às redes sociais registrar o fracasso de Bolsonaro e observar resultados favoráveis para a esquerda.


“Os candidatos apoiados pela Presidência fracassaram e o PSOL tornou-se o partido de esquerda mais relevante”, observou o ex-juiz.


Um levantamento do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), feito a pedido Estadão, mostra que os partidos dos presidentes da República desde Fernando Henrique Cardoso conseguiram eleger números expressivos de prefeito dois anos depois de conquistarem o primeiro mandato.


O PSDB passou de 317, em 1992, para 934 em 1996.


Já o PT, de Luiz Inácio Lula da Silva, passou de 174, em 2000, para 400 prefeituras, em 2004.


Com Dilma Rousseff, o PT passou de 557 em 2008 para 638 em 2012.


Bolsonaro foi eleito pelo PSL, mas deixou o partido um ano depois.


O presidente tentou criar o Aliança pelo Brasil, mas a legenda não saiu do papel.


Parte dos candidatos bolsonaristas, entretanto, permaneceram no PSL e outros foram para siglas nanicas.


Fonte: Estadão

 

00 A Banner WhatsAppecontatos RadioEldorado2